terça-feira, Outubro 25, 2005

Carta de Deus à sua filha rebelde

Se me desiludes nas pequenas coisas, como te poderei um dia confiar-te o muito que te quero? Quando apenas te peço a fidelidade a ti própria, a um projecto de vida que só te trará felicidade, e mesmo assim tu segues em frente, direita ao abismo, mandas-te de cabeça directamente para as profundezas do inferno. Tantas vezes que te digo que te amo muitíssimo, que só te quero bem, que o caminho que tracei é o melhor para ti.
Filha rebelde, impura e infantil, que corres desesperada em direcção às chamas eternas, por mais que eu tente puxar-te ferozmente para o meio da luz, por mais que tente abrir-te os olhos que teimas em manter cerrados. Porque insistes nas tuas correntes, quando eu tenho para ti um mundo de liberdade? Porque insistes em abraçar o mundo, quando o espírito é o melhor que tu tens?
Não posso fazer nada por ti, se não queres bem a ti própria. Quando o teu maior inimigo és tu, infligindo-te as maiores dores, só para sentires que há vida a correr nas tuas veias.
Já te disse mil vezes, és a minha filha querida, que eu quero cobrir de Amor puro e eterno, que quero encher de bençãos e proteger. Mas se teimas em fechar os olhos e lançar-te nos braços de todos os demónios que te espicaçam a carne, se procuras voluntariamente todas as tentações que o pai da mentira tem para te oferecer, e matas sistematicamente todos os anjos que mando à tua vida para te proteger, pouco mais há que eu possa fazer por ti.
Já percebeste que és infeliz assim, que esse caminho só tem espinhos e escolhos, mas recusas-te a ver a felicidade que se estende num caminho de luz à tua frente. Se nada mais há a fazer por ti, eu sairei um dia da tua vida. Se não me escutas, eu não te obrigarei a nada. Se escolhes viver na miséria, quando podias viver como filha de Rei, deixar-te-ei seguir o teu caminho em paz, até um dia voltares a chorar para os meus braços. Se houver ainda salvação para a tua cegueira.
Eu amar-te-ei sempre, estarei à tua espera, para te abrir as portas do paraíso, assim tu queiras. Que o Inferno, é onde vives actualmente.